MARIA DAS NEVES REBELO DE SOUSA 2022

O periodo de inscrições decorreu até ao dia 22 de fevereiro. 
O Conselho Geral da CCPM avaliou as candidaturas apresentadas e votou na escolha das 6 candidaturas finalistas ao Prémio. 
A votação do Conselho Geral promoveu um empate no sexto candidato.
Assim, o entendimento foi o de, excecionalmente, considerar oito (8) candidaturas para a votação final.
A votação online decorreu do dia 24 de fevereiro até às 24h  do dia 11 de abril.

A escolha da candidatura vencedora compreende quatro etapas, tendo cada uma a ponderação de 25%.
Nesse processo, cada ID (endereço de email) só pode votar uma vez. Assim:
  1. Escolha dos “sócios empresas” e “sócios solidários” – através do site (cada sócio entra no seu login e vota); 
  2. Escolha dos Membros do Conselho Geral – através do site (cada Membro entra no seu login e vota); 
  3. Votação aberta à sociedade civil através do site (só permite um voto por ID); 
  4. Votação por todos os presentes no jantar de dia 12 abril (através de um cupão de voto). Dada a impossibilidade de realizar o Jantar, e sendo o mesmo reservado a associados, esta parte da votação será reservada aos associados 
Após a votação, era possível observar o “ponto de situação” da votação, registando a sua intenção de voto.


A Candidatura vencedora do Prémio foi o Projecto Esperança Moçambique



LISTA DE INSCRITOS 
    1
    Associação Kutsaca
    Ver Perfil
    Um Modelo de Transformação, ao serviço de um mundo mais consciente, colaborativo, justo e digno para todos, através da Educação, Formação, Experiência e Partilha. Somos um Agente de transformação que lidera com paixão, ações com a comunidade local e global, ao serviço de um mundo novo, mais empático, autêntico e inspirador.

    Visite-nos em www.kutsaca.com
    2
    Associação Helpo
    Ver Perfil
    A Associação Helpo é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD) que desempenha a sua atividade desde 2008 em Portugal, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau, chegando, atualmente, a cerca de 57.000 crianças. A sua atividade centra-se na promoção do desenvolvimento através da educação e da nutrição.
    A Helpo atua em 101 focos de intervenção, através da construção de escolas, bibliotecas, creches, centros de nutrição, cantinas escolares, sistemas de aproveitamento de águas pluviais, formação comunitária, educação para a saúde, assistência e formação contínua. A ONGD financia estas atividades através de diversos programas, nomeadamente, Programa de Apadrinhamento de Crianças à Distância, donativos livres, projetos financiados por agências internacionais e empresas.
    Para saber mais sobre a Helpo: http://www.helpo.pt
    FICHEIROS  
    A HELPO EM MOÇAMBIQUE
    ESCOLA DO CAMINHO LONGO
    PROJETO 1000 DIAS
    PROJETO FUTURANDO
    PROJETO KARIBU
    3
    Um Pequeno Gesto Uma Grande Ajuda - Associação
    Ver Perfil
    Em Fevereiro de 2022 a UM PEQUENO GESTO está a lançar um novo programa de Alimentação Escolar na Escola de S. Vicente de Paulo, em Chokwé, cofinanciado a 70% pelo Instituto Camões, e que irá beneficiar cerca de 1.400 crianças com uma refeição quente diária. Para garantir as condições necessárias à preparação e confeção das refeições deste novo programa de Alimentação Escolar, a UM PEQUENO GESTO está a realizar obras de ampliação da atual cozinha onde já são confecionadas as refeições das crianças que frequentam as nossas pré-escolas. A UM PEQUENO GESTO propõe ao Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa, o financiamento de 10.500€ referentes às obras de ampliação da atual cozinha, uma infraestrutura essencial ao funcionamento do novo programa de Alimentação Escolar em São Vicente de Paulo. 

    A UM PEQUENO GESTO foi criada há 17 anos com o objetivo de transformar os pequenos gestos de cada um de nós em grandes ajudas às crianças da Província de Gaza, em Moçambique. A nossa missão é a promoção da melhoria das condições de vida destas crianças desfavorecidas e das suas famílias. Acreditamos que o acesso à educação e nutrição, num ambiente saudável e digno, permite aos jovens e crianças Moçambicanos quebrar o ciclo de pobreza. A UM PEQUENO GESTO apoia diretamente 975 crianças através do programa de Apadrinhamento e aprofundamos a nossa intervenção nas crianças e suas famílias através dos nossos Projetos de Educação (Pré-escolar, Alimentação escolar, Apoio ao estudo e Bolsas universitárias) Infraestruturas (Familiares e comunitárias), Apoio à Pobreza (Centro de Dia HIV) e Sustentabilidade (Educação técnica e Geração de Rendimentos), com os quais apoiamos diariamente mais de 2.000 crianças. Em 2011 fundámos a A LITTLE GESTURE UK para reforçar os fundos angariados pela UM PEQUENO GESTO em Portugal e assim aumentar significativamente o número de crianças e jovens beneficiários dos nossos programas em Moçambique. Temos uma política de custos muito estrita e total transparência de cada Euro doado, para garantir o máximo retorno social de cada Euro aplicado no terreno. O nosso objetivo é aplicar 0,80€ por cada Euro doado diretamente nas crianças. Trabalhamos com Parceiros e Técnicos locais altamente envolvidos na vida das comunidades e esta ligação próxima e diária ao terreno conduzem a processos de decisão eficientes e eficazes. Desde o nosso lançamento, UM PEQUENO GESTO e A LITTLE GESTURE, aplicamos mais de três milhões de euros no terreno em apoio direto, local e diário. Em 2021 angariámos mais de €450.000 e no ano de 2022 queremos crescer ainda mais!
    FICHEIROS  
    ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SVP
    RELATÓRIO ANUAL UM PEQUENO GESTO 2020
    4
    Projecto Esperança Moçambique
    Ver Perfil
    O Projecto Esperança tem como missão apoiar Crianças/Jovens e Famílias vulneráveis em Moçambique. Olívia Tamele, também conhecida por “Mãe Olívia”, e ainda hoje a mentora do Projecto, iniciou esta causa em 1998 com 3 Crianças, com o objetivo de as apoiar, assim como às suas Famílias detentoras de HIV/SIDA. Rapidamente se multiplicaram para 50. O âmbito de intervenção do Projecto foi-se alargando no sentido de apoiar Crianças vulneráveis oriundas de Famílias problemáticas. Em 2002 nasceu o primeiro centro de apoio em Marracuene e em 2008 deu-se início ao apadrinhamento de Crianças pela associação Padrinhos de Portugal, apoio que tem sido fundamental para a sustentabilidade do Projecto. Ao longo dos anos nasceram mais dois centros de apoio, um em Pussulane (perto de Marracuene) e o terceiro na cidade da Beira, estando hoje a frequentar os centros aproximadamente 350 crianças entre os 4 e os 20 anos. Destas 350 crianças, nos centros de Marracuene e Pussulane encontram-se 250 e no Centro da Beira contamos com 100 crianças. Para além da saúde, a educação e os valores passaram também a ser objetivos prioritários desta causa. Hoje as crianças, após ou antes do período escolar, deslocam-se aos centros de apoio para se alimentarem, conviverem, receberem apoio escolar, formação de valores, apoio moral e familiar e também, mas não menos importante, afectos… Já muito foi realizado! O Projecto Esperança já tem jovens a estudar na Universidade, muitos a realizar cursos técnicos e alguns já formados! O apadrinhamento de crianças financia a educação, material escolar, alimentação, vestuário e despesas de saúde da criança. E, também, carinho e amor, tão necessário para o desenvolvimento de qualquer ser humano. Outras acções específicas envolvem investimento em infraestruturas de modo a permitir o bom funcionamento dos centros de apoio, assim como acções pontuais em actividades relevantes para a formação e desenvolvimento das crianças de Moçambique. Poderão visitar-nos no Facebook: Projecto Esperança Moçambique; site: www.projectoesperanca.com; email: geral@projectoesperanca.com
    FICHEIROS  
    ASSOCIAÇÃO PROJECTO ESPERANÇA - MOÇAMBIQUE
    5
    Associação Amigos De Inharrime - Portugal
    Ver Perfil
    A Associação Amigos de Inharrime - Portugal (AIP), fundada em 2015, é uma associação sem fins lucrativos, reconhecida como uma ONGD pelo Instituto Camões, que apoia e promove o desenvolvimento da comunidade de Inharrime, através do Centro Laura Vicuña. Cumprindo um sonho já antigo de alargar os laços de solidariedade entre Portugal e Moçambique, a AIP foi fundada, acreditando que para cada criança existe um futuro. Trabalhamos para ajudar as crianças moçambicanas a terem uma vida mais digna e a conquistarem a sua felicidade, e para ajudar na melhoria da qualidade de vida do povo moçambicano, contribuindo para o desenvolvimento da população em situação precária nas zonas de Inharrime, Namaacha e Moatize. As nossas principais áreas de intervenção são a Educação e a Saúde - pilares fundamentais para promover a melhoria das condições de vida e de felicidade das crianças. Regemo-nos pelos valores da Transparência, Integridade e Solidariedade, seguindo os princípios do Desenvolvimento local sustentável. Visite-nos em http://www.amigosinharrime.pt/
    FICHEIROS  
    PROJETO "ESCOLA DE COSTURA" EM MOATIZE, TETE
    PROJETO "14 FAMÍLIAS, 14 CASAS" EM NKONDEDZI, TETE
    PROJETO "UMA CRIANÇA, UMA ÁRVORE" EM MOATIZE, TETE
    APRESENTAÇÃO GERAL DA AIP
    6
    Associação Ajudar Moçambique
    Ver Perfil
    A Associação Ajudar Moçambique (AAM) é uma associação civil de solidariedade social sem fins lucrativos, que se rege pelos princípios fundamentais de defesa dos Direitos Humanos e respeito pelo Ambiente. Criada em Outubro de 2019, surgiu da vontade de um grupo de pessoas com experiências profissionais muito diversas, mas com um interesse unificador: uma paixão por Moçambique e pelo seu povo e a vontade de melhorar a difícil realidade das comunidades rurais mais vulneráveis, que vivem nas principais áreas de conservação. Atualmente, estão em curso dois projetos, a saber: 1) Agricultura de Conservação com a African Parks: projeto piloto que visa promover uma abordagem sustentável para a agricultura de conservação no Parque Nacional do Arquipélago do Bazaruto; 2) “Escola para raparigas” em parceria com a Missão Cristo-Rei da Vila da Gorongosa: reabilitação das instalações do Lar Nª Sr.ª de Fátima (internato feminino) que acolhe 97 raparigas e 55 rapazes. Durante o ano de 2021 demos por concluído o projeto de construção de 20 casas em parceria com a ONGD The Big Hand que, após a passagem do Ciclone Idai por Moçambique, em março de 2019, inúmeras famílias viram as suas habitações e meios de sustento perdidos.
    FICHEIROS  
    PROJETO ESCOLA PARA RAPARIGAS
    PROJETO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO
    7
    Cadeia Da Esperança Portugal
    Ver Perfil
    A Cadeia da Esperança Portugal é uma Organização Não-Governamental empenhada na ajuda aos países africanos de língua portuguesa, na área da saúde, especialmente na cardiologia médica e cirúrgica. É membro da Chaine de l’Espoir / Chain of Hope Europe que congrega outras quatro organizações congéneres da França, Bélgica, Itália e Alemanha.
    Atualmente mantém dois projetos: o Instituto do Coração de Maputo, Moçambique, e a Unidade de Cardiologia do Hospital Ayres de Menezes de São Tomé.

    Missão e Valores
    • É uma organização humanitária não governamental, independente e sem fins lucrativos.
    • Temos o compromisso de proporcionar suporte médico especializado, que atenda aos padrões internacionais, em áreas pobres do mundo de língua portuguesa.
    • Trabalhamos com instalações e instituições médicas locais para apoiar seu desenvolvimento.
    • Apoiamos hospitais locais, fornecendo conhecimento, equipamentos, orientação médica e económica.
    • Enviamos pessoal médico, técnico e de enfermagem qualificado, e outros especialistas para proporcionar assistência médica e cirúrgica no local e desenvolver programas de treino sob supervisão.
    • Cooperamos com organizações, parceiros e indivíduos com ideais afins.
    • Estamos comprometidos com a saúde de todos os seres humanos, independentemente da nacionalidade, raça e religião.
    • Trabalhamos sem ganhos económicos e operamos de forma voluntária.
    • Estamos comprometidos com uma adequada gestão dos recursos oferecidos pelos dadores, patrocinadores, parceiros, autoridades e o público, com qualidade e transparência.

    FICHEIROS  
    CADEIA DA ESPERANÇA - MISSÕES
    CADEIA DA ESPERANÇA PORTUGAL
    RELATORIO FINAL _MAPUTO2019
    RELATÓRIO FINAL AMMAN-JORDAN 2019
    8
    Medicina Mais Perto: Moçambique
    Ver Perfil
    O Medicina Mais Perto: Moçambique é um projeto de voluntariado internacional da Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa que, através da cooperação com associações parceiras (AVOMACC e MAKOBO), visa prestar apoio médico-social a comunidades carenciadas na Matola, através da criação de uma estrutura sustentável que se cumpre na auto-suficiência da população beneficiária. Simultaneamente, objetiva ainda a hipótese de conceder aos voluntários do projeto (estudantes de Medicina) a aquisição de conhecimentos e competências na área da saúde e da educação, no contexto de uma realidade diferente da vivida em Portugal.
    FICHEIROS  
    RELATÓRIO DO TRABALHO CAMPO MMP_MZ 2019
    INDICADORES DE IMPACTO 2019
    PORTEFÓLIO

Prémio
Maria das Neves Rebelo de Sousa

Regulamento



Considerando o contributo que Maria das Neves Rebelo de Sousa, uma das primeiras Assistentes Sociais de Portugal, ao longo da sua vida deu a causas de natureza humanitária e social, particularmente em Moçambique de 1967 a 1970, deixando na memória de muitas entidades e populações a indelével marca da sua personalidade e sentido de dádiva ao próximo, entendemos Honrar o seu legado através do reconhecimento do mérito e da solidariedade com um prémio anual.

INTRODUÇÃO

A Câmara de Comércio Portugal Moçambique (CCPM) tem, como principal objetivo, a construção de uma sociedade inclusiva, capaz de valorizar as relações sociais, académicas e económicas entre as comunidades dos dois países.
O Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa, a atribuir anualmente, com início no ano de 2019, tem como finalidade reconhecer individualidades ou organizações que, pela sua relevância e pelo trabalho desenvolvido, se tenham distinguido na área da Responsabilidade Social em Moçambique.

PRIMEIRO
Objetivo

O objetivo do Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa é distinguir individualidades ou organizações que tenham contribuído de forma decisiva e com particular impacto na sociedade moçambicana quer através de uma abordagem teórica (designadamente, com a introdução de novos conceitos, de novas metodologias ou da contribuição para a modificação de mentalidades), quer por via de uma abordagem prática (designadamente, de modalidades de apoio direto).

SEGUNDO
Prazo

O Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa é atribuído anualmente.

TERCEIRO
Valor

O Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa tem um valor simbólico de €7.500 (sete mil e quinhentos euros), suportado pela Câmara de Comércio Portugal Moçambique.

QUARTO
Processo de Decisão

1. A coordenação e acompanhamento de atribuição do Prémio é da responsabilidade do Conselho Geral da CCPM, composto por personalidades de reconhecido mérito, com o seguinte modelo;
2. O Conselho Geral identifica, deliberando por maioria simples dos seus membros, até seis propostas finalistas. O processo de voto tem quatro etapas, com a ponderação de 25% cada. Assim;
a. O Conselho Geral vota, de modo secreto, por envelope fechado, as propostas finalistas;
b. Os sócios empresas e sócios solidários, com as quotas em dia, da CCPM, votam de modo digital nas propostas entre 12 de março a 21 de abril;
c. É promovida uma votação online das seis propostas finalistas, entre 12 de março a 21 de abril, sendo assegurado que cada ID só pode realizar uma votação. Os responsáveis pelas propostas devem assegurar o modelo e a informação a disponibilizar pela plataforma.
d. As pessoas presentes no jantar de Gala, para atribuição e entrega do prémio, têm acesso à votação, também secreta, numa tombola em acrílico transparente, colocada para o efeito na sala.
3. Serão convidados para a cerimónia de entrega de prémios um representante de cada proposta finalista em concurso.
4. A decisão de atribuição do prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa não é passível de recurso.

QUINTO
Critérios de avaliação

No processo de avaliação das candidaturas são considerados, como critérios fundamentais, a prossecução dos objetivos que presidiram à instituição do Prémio, bem como o impacto, a originalidade e o caráter inovador da contribuição dos candidatos para o ideal de uma sociedade inclusiva.

SEXTO
Candidaturas

1. As candidaturas, devidamente fundamentadas, devem ser submetidas exclusivamente online, no mês de fevereiro de cada ano, em www.ccpm.pt, de acordo com as instruções aí referidas.
2. Os documentos a incluir na candidatura deverão evidenciar os resultados e os impactos das atividades desenvolvidas pelo candidato.
3. Para apoio à inscrição queiram enviar o seu logotipo.
4. Como suporte à informação de apreciação da candidatura, podem enviar até cinco ficheiros, em pdf, com o máximo de 10 mb cada. Para os vídeos poderão enviar o link do vídeo (youtube ou vimeo) ou código para incorporar.
5. Os documentos podem ser alterados até ao dia 28 de Fevereiro, através de solicitação a ricardo.rodrigues@ccpm.pt.
6. Para além dos documentos submetidos com a candidatura, o júri pode solicitar esclarecimentos adicionais sobre o trabalho desenvolvido pelos candidatos.
7. O Conselho Geral da CCPM, no dia 12 de março, identificará os (até seis) projetos a votação.
8. Os Prémios serão entregues durante na última etapa do processo de seleção, o Jantar de Gala, no Círculo Eça de Queirós, no dia 21 de abril.

SÉTIMO
Elegibilidade

São elegíveis as candidaturas de quaisquer pessoas singulares ou coletivas, independentemente da sua nacionalidade, que se tenham distinguido, em Moçambique, na defesa e na promoção do ideal de uma sociedade inclusiva.

CORPORATE